Chego ao Alentejo como se percorresse uma paisagem dentro de mim. Desde miúdo que conheço este abrigo seguro, este esconderijo de luz.
A cal não tem cor. É luz fóssil aprisionada numa concha imaginária. Cresce com o tempo, como uma espécie de pele das casas, camada sobre camada.



20130623

.


6 comentários:

  1. Sombrio... mas estranhamente nada assustador. Antes pelo contrário: muito cativante.

    ResponderEliminar
  2. Subindo as escadas, podemos entrar na primeiríssima Casa do Povo de Avis (anos 60), lugar onde os populares podiam assistir às emissões da RTP p/b.

    ResponderEliminar